Pub

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

As ameaças do cyberbullying


O cyberbullying é, de acordo com a definição mais ou menos consensual, “uma prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar outrem”. Um problema grave de ataque à privacidade e ao bom nome de cada um, de difícil resolução, que só a educação e o bom senso podem minorar.

Como salienta Luzia de Oliveira Pinheiro na sua tese “Cyberbullying em Portugal:uma perspectiva sociológica“, “o facto do cyberbullying se mover essencialmente na internet contribuiu para que se convertesse num problema mundial. Mas também que fosse mais complexo que o tradicional bullying. A verdade é que os cyberbullies, que são aqueles que praticam cyberbullying, sentem que nunca serão identificados. Daí que a promessa de anonimato oferecida pela Internet seja um grande motor para que este tipo de violência se propague.”
Seleccionamos alguns conceitos, ideias, pistas, que nos poderão ajudar a compreender e ajudar a prevenir o fenómeno.
Apresentamos algumas ideias e recomendamos alguns locais de consulta que consideramos relevantes sobre um tema cada vez mais actual. Centramo-nos sobre tudo no fenómeno da internet.


Que formas pode ter o cyberbullying?
Vejamos alguns dos exemplos mais significativos:


Email – Correio Eletrónico

Devido à facilidade existente no envio de mensagens incógnitas, o email é um dos meios mais utilizados pelos “Cyberbullies” para atingir as suas vítimas.
Muitas vezes, é possível descobrir a origem da conta de email a partir do qual foi enviada uma mensagem. No entanto, é quase impossível provar que uma determinada pessoa realmente usou essa conta de e-mail para enviar mensagens ofensivas. Por outro lado, se as mensagens enviadas de contas com provedores de Internet locais / regionais (ISPs) podem ser mais facilmente rastreadas, as enviadas tendo como base os grandes fornecedores de email, como Hotmail, Gmail, Yahoo,… etc, são de identificação praticamente impossível.
O que pode fazer
É aconselhável a utilização de filtros de correio electrónico que poderão bloquear ou excluir automaticamente mensagens de remetentes indesejáveis. Isto funciona até certo ponto, mas, como a maioria dos utilizadores de email sabe, é quase impossível parar todos os emails indesejados, mensagens como anúncios, etc, SPAM.

Mensagens instantâneas (IM)

Os Cyberbullies podem e usam qualquer um dos diferentes sistemas de IM (MSN, Messenger, Yahoo, …) para enviar mensagens de assédio e de ameaças.
As conversas e os conflitos que surgem on-line muitas vezes dão origem a comportamentos violentos seja na escola ou na rua.
O que pode fazer
Acompanhe o processo de inscrição do seu filho/educando numa conta de IM. Seja cuidadoso na informação pessoal que disponibiliza online. Crie listas separadas de amigos e conhecidos em quem confia. Não aceite toda a gente nos seus círculos.


Salas de chat

As salas de chat são, por excelência, espaços onde, regra geral, as pessoas nem sempre são o que parecem ser. Nesses espaços, os utilizadores podem entrar anonimamente, escrever o que quiserem, verdadeiro ou falso, abrindo espaço a conversas hostis, ameaças, etc. São também espaços onde entram os predadores, estranhos que prometem “ajudar” os jovens e que tentam marcar encontros reais, muitas vezes com objectivos sinistros.
O que pode fazer
Crianças pequenas nunca devem entrar em sala de conversa, a menos que um adulto confiável e responsável ou tutor esteja sentado com eles no computador. Crianças mais velhas poderão visitar salas de chat moderadas por alguém responsável, de forma a evitar situações comprometedoras , confrangedores ou de de carácter ofensivo. As crianças não devem trocar de email com alguém de uma sala de chat ou marcar encontros com alguém sem a autorização dos pais ou encarregados de educação.

Sites da web

Os Cyberbullies podem criar sites da Web para zombar, atormentar e perseguir os outros. Se é relativamente fácil identificar os proprietários dos sites através do seu fornecedor de acesso à Internet (ISP, Internet Service Provider), alguns ISP’s dificultam essa tarefa, não reconhecem eventuais queixas, ignoram ou não respondem a qualquer reclamação. Por outro lado, a oferta de locais para a criação de sites hoje é tão grande, diversificada, cada vez mais simples e pouco exigente, que qualquer pessoa pode criar uma página praticamente anónima e lá colocar o que quiser sem que ninguém o incomode. Desde as páginas tradicionais aos blogues tudo é possível tornando a tarefa se não impossível, pelo menos de difícil resolução.
O que pode fazer
Contra esta torrente, além da denúncia que sempre é possível fazer aos administradores das redes sociais, como o Facebook, o melhor caminho é sempre a prevenção.

Sondagens online

Alguns sites oferecem aos utilizadores a oportunidade de criar sondagens online. Os Cyberbullies podem usar esses sites para criar páginas Web que permitem a votação online para “o mais feio, o mais gordo etc, da escola, do bairro… “.
Embora esses sites afirmem que não toleram o uso de seus sites para tais fins, o que é sempre de elogiar, há sempre quem arrisque. Na verdade, a maioria das páginas não são verificadas pelos administradores abrindo a porta a abusos.

Tecnologias emergentes

Existem muitas tecnologias de comunicação emergentes, tais como Wi-Fi SPOT, ThreeDegrees etc, que estão a tornar mais fácil o acesso à internet, em qualquer lugar, a qualquer hora. Se estes novos meios abrem novas possibilidades de comunicação, são também uma janela aberta à maledicência. Por isso, há que estar atento. Sempre, já que todos temos o direito de ser respeitados e a responsabilidade de respeitar os outros.
Fontes:
http://www.cyberbullying.org/
http://www.bullying.org/
http://www.stopbullying.gov/topics/cyberbullying/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cyberbullying/
http://www.stopcyberbullying.org/index2.html
Textos recomendados:
Cyberbullying em Portugal : uma perspectiva sociológica
Cyberbullying: um desafio à investigação e à formação
Cyberbullying em Crescendo
Bullying e Cyberbullying
Cyberbullying: a violência virtual
Bullying contra professores na web
Cyberbullying: fenómeno sem rosto
Cyberbullying
Fonte: Professor TIC

Nenhum comentário:

Postar um comentário