Pub

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Ensino básico profissional e sistema de aprendizagem dual

Os países que adotam, há décadas, o ensino básico vocacional e o sistema de aprendizagem dual - Alemanha, Holanda, Áustria e Suiça - são os que têm menor taxa de desemprego jovem da Europa. São países que conseguiram escapar incólumes à crise das dívidas públicas e que apresentam taxas de desemprego baixas se comparadas com as elevadas taxas de desemprego dos países do Sul da Europa onde os jovens são confrontados com uma via única de ensino até ao 10º ano ou alternativas ineficazes e altamente dispendiosas como as que existem em Portugal: os Percursos Curriculares Alternativos, os Cursos de Educação e Formação de Adultos e os Cursos de Educação e Formação.

Se Mário Nogueira e os professores que o seguem conhecessem estes números talvez fossem mais comedidos nas críticas que fazem ao ensino básico vocacional e ao sistema de aprendizagem dual:

Áustria: taxa de desemprego (4,2%, em 2011); PIB per capita (42,400 USD em 2011); percentagem de pessoas no limiar de pobreza (6%, em 2011).

Alemanha: taxa de desemprego (6%, em 2011); PIB per capita (38,400 USD, em 2011); percentagem de pessoas no limiar da pobreza (15,5%, em 2011).

Holanda: taxa de desemprego(4,4% em 2011); PIB per capita (42,700 USD, em 2011); percentagem de pessoas no limiar de pobreza (10,5%, em 2011).

Suiça: taxa de desemprego (3,1%, em 2011); PIB per capita (43,900 USD, em 2011); percentagem de pessoas no limiar de pobreza (6,9%, em 2011).

Fonte: ProfBlog

10 comentários:

  1. Não será porque as economias esses países geram emprego?

    ResponderExcluir
  2. http://fiel-inimigo.blogspot.pt/2012/11/tese-umbigal-de-urinol.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou entusiasta e sei perfeitamente que não é só por causa do sistema dual que a Alemanha é uma grande economia. É que ao contrário de outros países, os jovens alemães que optaram por essa via saem da escola com capacidades e competências para trabalhar numa economia produtiva.
      Aqui, toda a gente pensa que pode ser licenciado ou ter qualquer outro título académico. Uma economia necessita de toda uma panóplia de profissões e nenhuma é mais digna que outra!
      E mais o que é grave é pensarem alguns dos nossos jovens que a aprendizagem é feita sem esforço!

      Excluir
  3. Eu também quero esse sistema, mas para os filhos dos outros! Alguém quer privar os seus filhos do melhor ensino? Seja honesto, colocaria os seus filhos em dual? Pois é...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sistema dual destina-se a alunos com dificuldades. O sistema possibilita o seu regresso ao ensino regular, daí que nunca é uma decisão definitiva no percurso escolar dos alunos.

      Excluir
    2. Não respondeu à minha pergunta...

      Excluir
    3. Não tenho problema nenhum em responder à sua pergunta. Aliás verificará que a resposta já está dada, embora nas entrelinhas!
      Felizmente lá em casa, pelo menos por agora, não se torna necessário recorrer a tal medida. Mas digo-lhe sinceramente, se fosse o caso, não hesitaria um momento, pois preferiria isso a ver o meu filho, como tantos outros, sem motivação e autenticamente e só a passear os livros que carregam na mochila (nos casos em que eles não ficam em casa ou nem sequer são comprados).

      Excluir
  4. Desejo sinceramente que os seus nunca sejam forçados a tal estreitamento de horizontes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se trata de um estreitamento de horizontes, mas sim de um alargamento. Convenhamos que nem toda a gente tem capacidade, motivação e condição económica para ter um título académico.
      Que tipo de sociedade teríamos se todos fossem licenciados?

      Excluir