Pub

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

10 dicas para uma boa utilização do Facebook

A crescente utilização das redes sociais coloca cada vez mais em causa a privacidade dos seus utilizadores, por descuido dos mesmos ou por desconhecimento dos verdadeiros perigos que essas redes acarretam. O número de utilizadores do Facebook ascende aos mil milhões e todo o cuidado é pouco, principalmente quando envolve privacidade e interferência com a vida real.

Para o elucidar dos principais cuidados a ter, compilámos um top de 10 dicas que o ajudarão a ter mais cuidado e a controlar melhor a sua “vida virtual”.


Uma recente pesquisa do Pew Research Center Internet & American Life Project revela que a maioria dos utilizadores do Facebook actualiza os seus estados apenas algumas vezes por mês e nem todos os meses, sendo que um em cada seis utilizadores do Facebook nunca postou uma actualização no seu estado. No entanto, de acordo com a mesma pesquisa, dos utilizadores que actualizam o seu estado, as mulheres são quem mais o faz, com uma média de 21 actualizações por mês; já os homens fazem cerca de 6 actualizações.

Os perigos das redes sociais aumentam quando são partilhados detalhes da vida pessoal a estranhos, mas cabe a cada um dos utilizadores e respectivos amigos minimizar as consequências negativas das redes sociais.

Existem algumas dicas que podem ajudar a que a utilização no Facebook seja livre de problemas. Seguem 10 das práticas que devem ser seguidas:

1. Evite colegas de trabalho nas amizades do Facebook

A vida profissional e a vida pessoal devem manter-se separadas, mas a lista de amigos do Facebook muitas vezes junta os dois mundos. A criação de grupos, separando os amigos de trabalho dos outros, e a criação de permissões entre diferentes grupos, não garantem que uma publicação, que possa comprometer a conduta profissional, não venha a circular no local de trabalho, tornando a posição do utilizador/trabalhador constrangedora ou mesmo duvidosa.

O ideal neste caso é manter a conta do Facebook restrita à vida privada, sendo que a vida profissional pode ficar reservada, por exemplo, à rede social LinkedIn.

2. Não caia em esquemas ou fraudes

Diariamente surgem novas imagens ou métodos virais que são partilhados por milhares de pessoas, que prometem coisas como sorteios de smartphones, prémios de euromilhões ou até mensagens partilhadas que alegam a reserva de direitos de autor pelas publicações no Facebook.


Antes de partilhar, gostar ou comentar qualquer post duvidoso no Facebook deverá procurar a veracidade do mesmo. A privacidade que é dada a cada perfil pode levar alguns utilizadores a “confiarem” nas publicações dos amigos e serem levados a seguir este tipo de fraudes. Na dúvida, o melhor é ignorar.

3. Não partilhe informações pessoais em excesso

As discussões em páginas públicas do Facebook são frequentes e muitas vezes incluem insultos graves entre utilizadores. Essas discussões podem despoletar ameaças reais e a identidade e segurança dos utilizadores pode ficar comprometida quando o seu perfil é inundado de informações a seu respeito. A morada, local de trabalho, imagens do carro e da casa, tudo isso ao dispor de todos.

O próprio Facebook ajuda a ajustar as configurações de privacidade de modo a restringir a informação publicada. Pode fazê-lo a partir das Definições de privacidade.

4. Não tenha amigos estranhos

Será que todas as pessoas que conhecemos, com quem falámos uma vez, merecem a nossa confiança para ter acesso à informação que disponibilizamos no Facebook? E aquelas com quem nunca sequer falámos?


Apesar da maioria dos utilizadores ser consciente e prudente nesta questão, estima-se que cerca de 18% dos homens já aceitou um pedido de amizade de uma mulher desconhecida e 7% das mulheres aceitou o pedido de um homem desconhecido. Além disso, 5% de todos os utilizadores (no mundo das redes socias) aceitam qualquer pedido de amizade.

5. Não faça publicidade gratuita

Quando se activa alguma aplicação associada a uma marca é habitual que, cada vez que se interage com ela, seja publicado no perfil do utilizador e no feed de notícias dos seus amigos publicidade inerente à aplicação. Além disso, o seu perfil ainda pode surgir como utilizador da aplicação na própria página da marca. Mas pode limitar esta publicação. Basta aceder às definições de privacidade e editar as definições de Anúncios, aplicações e sites > Aplicações que utilizas, seleccionar a aplicação pretendida e no parâmetro Pública em teu nomeseleccionar a opção Apenas eu.


6. Não seja irónico ou sarcástico

Fazer publicações ou comentários a posts em tom irónico ou sarcástico, mesmo que a intenção seja a de “brincar” com a situação, pode ser mal interpretado e causar constrangimentos desnecessários. Segundo consta, esse tipo de desentendimentos já causou muitos divórcios.

7. Não permitir que os amigos o identifiquem em fotos ou comentários embaraçosos

Antigamente dizia-se “o que se passa na noite, fica na noite”, mas actualmente é frequente que o que se passa (seja de noite ou de dia) segundos depois aparece no Facebook, e nem sempre são coisas que se queiram partilhar na cronologia.

Há já algum tempo que o Facebook tem nas definições de privacidade a opção de “revisão de identificações” que possibilita a permissão da identificação e publicação de fotos na cronologia do utilizador feitas por um amigo.


É também possível eliminar qualquer publicação indesejável na própria cronologia ou através da publicação do amigo, como demonstra a imagem abaixo.


8. Não publique assuntos privados na cronologia

Frequentemente vêem-se os mais íntimos desabafos no feed de notícias ou desenvolvimentos de conversas pessoais em comentários a posts. Pode não ser grave, já que cada um divulga o que quer da sua vida, mas quando esses desabafos e conversas envolvem outras pessoas, a situação pode provocar alguns constrangimentos dada a divulgação de privacidade alheia.

9. Não deixe a sua caixa de e-mail entupir com notificações do Facebook

A maioria das notificações do Facebook no e-mail são inúteis,Para as desactivar basta ir a Definições de conta >Notificações > E-mail e defini-las à sua medida, evitando assim perda de tempo com e-mails desnecessários.


10. Não deixe que o Facebook o siga

Há uns meses foi reportada uma falha, uma espécie de abuso de confiança por parte do Facebook, que permitia que o utilizador fosse monitorizado mesmo após o logout. Esse mecanismo estava presente nos cookiesarmazenados pelo browser em utilização e permitiam dar a conhecer, ilicitamente, a forma como um utilizador navega pela Web.

Se utiliza o Facebook com pouca frequência, há ferramentas que pode utilizar para limpar ou inibir esses mecanismos, como é o caso do PrivacyFix falado recentemente no Pplware. A par disso, nos dispositivos móveis, a app Facebook (ou até a partir do browser) pede permissão para conhecer a sua localização, aparentemente para tratar informação adicional relativa ao local de publicação de um post ou para marcar uma foto. Se acha que não quer ser “seguido” a esse nível, então deve repensar a sua posição antes de aceitar as condições de utilização das apps móveis.

Fonte: Pplware

Nenhum comentário:

Postar um comentário