Pub

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

A queda do tio desmiolado!

Poucos olham para o Ministro das Finanças como o melhor ministro das finanças que tivemos nos últimos 28 anos. Acriançados como ainda estamos, é mais do que natural que neste período o melhor ministro das finanças seja odiado e o pior adorado. Na vida civil nunca o austero granjeia muita simpatia. Nunca é o tio forreta racional que cai nas boas graças da criançada, antes é o tio desmiolado que com as suas acções pouco temperadas pelas consequências o que obtém mais sucesso. É sabido que as crianças gostam que os crescidos brinquem de acordo com os seus critérios de diversão, deixando por isso o forreta racional de fora do seu ranking de preferências. Só décadas mais tarde o forreta racional é tido em conta como exemplo, precisamente quando os critérios de condução da vida passaram a ser o da boa governância e da sujeição ao preceito das regras, e já não à sujeição da brincadeira efémera que não olha a consequências. Há como uma passagem de testemunho, não pela mão do desmiolado para o forreta racional, mas pelas mãos da audiência. A norma diz que o desmiolado é de uma natureza tal que não viabiliza qualquer transferência suave de testemunho, pois a sua irracionalidade natural é de difícil compatibilização com quem conduz as coisas com base em argumentos mais sólidos. Assim, por norma, o desmiolado tem poucas décadas para reinar e reserva-se a si mesmo um tombo algures no processo.

Portugal está numa fase de passagem de testemunho. A fase é naturalmente dolorosa pois não se imagina que de ânimo leve se troque de forma natural o gozo infantil da pândega irresponsável pelo rigor graúdo da seriedade responsável. O último ano dos últimos 28 anos corresponderam aquela fase da vida em que o tio desmiolado foi desmontado e posto a nu no seu total e absoluto divórcio com a realidade da vida e das suas mais elementares regras de ordenação civil sobre a qual a mesma se edifica. Agora que os sobrinhos cresceram, e com os decorrentes desafios que uma vida adulta impõe, o tio forreta racional tenderá a ser trocado nas preferências relegando assim o tio desmiolado para o cantinho das memórias.

Ainda não sabemos bem se este tio forreta racional é o que melhor nos serve. Sabemos somente que se encontra na categoria que doravante melhor nos serve, pois do tio desmiolado só sobram contas a pagar e outros fardos. Neste momento a vox populi dos sobrinhos produz ainda uns clamores vagos pelo tio desmiolado em perfeita sintonia com o natural temor pela maioridade que já chegou. No entanto, as manifestações revelam um saudosismo já muito fugidio e em plena direcção oposta. Nesta época turbulenta de transferência de preferências restam aos sobrinhos três hipóteses. Ou pôr a cabeça na areia numa reacção pura de negação da realidade, prolongar a criancice por mais uns anos dotando o seu discurso de generalidades puramente ditadas pelo sentimento, o que mais não é do que uma bela candidatura a tio desmiolado da próxima geração, ou um pulo imediato para o patamar da razão e tratar os assuntos com a seriedade e maioridade com que eles devem ser tratados.

Assim vai Portugal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário