Pub

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

E quase tudo a Europa levou...

Cumpridas que estão as fases de grupos da Liga dos Campeões e da Liga Europa, não se pode dizer que o balanço seja positivo em relação à prestação das nossas equipas.

Entre altos e baixos, o saldo acaba por ser negativo, porque apenas 2 clubes portugueses conseguiram sobreviver entre a elite europeia, uma situação que pode minar a excelente posição que Portugal possui atualmente no ranking da UEFA.

O FC Porto foi a única equipa a cumprir o objetivo inicial: a qualificação para os oitavos de final da Champions. Costuma-se dizer que “gato escaldado de água fria tem medo” e depois do desastre do ano anterior, Vítor Pereira não correu riscos e garantiu cedo a qualificação. O primeiro lugar do grupo acabou por se escapar no último jogo, mas isso até poderá vir a ser uma vantagem no sorteio, em função dos adversários que podem calhar.

Por seu lado, o Benfica cumpriu os mínimos e transitará para a Liga Europa. Uma grande penalidade duvidosa, a favor do Celtic no último jogo, acabou por ditar as contas finais. No entanto, não serve de desculpa. Fica a ideia de que os encarnados podiam feito algo mais. A derrota em Moscovo, onde os escoceses venceram, acabou por fazer toda a diferença. Agora, na Liga Europa, o Benfica tem qualidade e potencial para chegar longe na prova.

No Sp. Braga, tudo correu mal e lá se foram os milhões. Num grupo acessível, pelo menos para o 2º lugar, a equipa sofreu três derrotas caseiras, que são a morte do artista nesta competição. A despedida dos minhotos tem sabor agridoce. O excelente futebol nos jogos com o Manchester United podia ter valido 4 a 6 pontos, mas as desatenções defensivas foram fatais. Só escapou a vitória na Turquia. E nem ao Cluj, que conta com jogadores dispensados pelo Sp. Braga (Mário Felgueiras, Luís Alberto, Rafael Bastos e Diogo Valente), os guerreiros conseguiram vencer.

O Sporting também acabou eliminado na Liga Europa, num grupo onde era a equipa teoricamente mais forte. Sem honra nem glória. A crise de resultados alastrou-se aos jogos europeus e, na maioria das partidas, vimos uma equipa irreconhecível, desmotivada e inerte. O leão europeu escondeu as garras e foi um gatinho manso. E pensar que este é quase o mesmo plantel que no ano passado foi semifinalista da prova. O clube tem de resolver os seus problemas para que isto não se repita. O prestígio do Sporting não pode ser colocado assim em jogo.

Sem grandes expetativas de sucesso, Marítimo e Académica tiveram uma participação digna e alguns momentos memoráveis. Os madeirenses realizaram jogos equilibrados com as equipas mais fortes do seu grupo: Bordéus e Newcastle. Contra os ingleses, empataram mesmo as duas partidas e exibiram-se a nível alto em Saint James Park. Por sua vez, a Briosa sai de cabeça erguida. Conseguiu a primeira vitória europeia em 43 anos às custas do detentor do troféu, o Atlético de Madrid. Pela falta de experiência, não se podia pedir muito mais à Académica.

As esperanças lusas ficam agora depositadas em FC Porto e Benfica. Esperava mais de Sp. Braga e Sporting. Seriam importantes para Portugal ganhar pontos e consolidar o 6º lugar do ranking da UEFA, que permite os preciosos 3 lugares de acesso à Liga dos Campeões. É uma questão que ultrapassa a vertente desportiva e inclui a financeira.

Que venha um bom sorteio para os sobreviventes.

Fonte: Record.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário