Pub

sábado, 2 de março de 2013

Os melhores álbuns da história do Rock: R.E.M. - Automatic For The People

Uma outra definição para a palavra “inspiração” poderia ser simplesmente "Automatic For The People"!
Este álbum dos R.E.M., foi lançado em 1992.
Com a participação magistral de todos os membros da banda, os R.E.M. construiram um disco fabuloso no seu conteúdo e execução. Uma obra-prima que conta com certo capricho na sua concepção.
Inspirador é a melhor forma de classificar o acto de ouvir coisas sublimes!


A crítica

"Automatic For The People" possui um brilho próprio dentro da rica discografia do grupo.
Uma obra carregada, amarga, emocional, com a banda aprimorando os arranjos sem precisar recorrer a uma grande variedade de instrumentos para isso, e que, com um êxito sem paralelo, ressaltam de forma eloquente a beleza de cada uma das canções.
As melodias que dele fazem parte estão num patamar muito elevado!
Acredito que poucas vezes um grupo chegou tão perto da perfeição como neste álbum.

A abertura com Drive é magnífica e apesar deste superlativo, não é nem de longe o que há de melhor no disco. A guitarra caprichosamente dedilhada e a messiânica voz de Michael Stipe são o cartão de visita que entrega ao ouvinte mais ou menos o que ele vai ouvir ao longo do álbum: uma mistura de sons acústicos, despojamento geral, convivendo em harmonia com um ou outro detalhe mais elaborado e grande habilidade para fazer muito com pouco.

Try Not To Breathe é o primeiro verdadeiro primor do álbum. Através de um minimalismo sossegado e despretencioso, a banda ilumina a alma do ouvinte. A atuação madura e plácida na medida certa de Michael Stipe, apoiado pelos sempre perfeitos backing vocals de Mike Mills, é o grande destaque desta comovente canção.

The Sidewinder Sleeps Tonite está mais alinhado com os R.E.M. tradicionais. Uma canção entusiasmante e levemente viciante, daquelas que te fazem cantarolar baixinho incontáveis vezes.

O apelo de The Sidewinder Sleeps Tonite tem seu equivalente tristonho na faixa seguinte, Everybody Hurts, uma canção emblemática; sonoramente, aproxima-se de uma canção de embalar, quase uma prece dirigida a quem acredita não possuir mais motivos para continuar a viver. Se a lenda de que Kurt Cobain estava a ouvir Automatic for the People no momento em que se preparava para atirar contra sua própria cabeça for verdadeira, essa canção deve ter sido um dos motivos para sua escolha final.

New Orleans Instrumental No.1 é uma simpática canção instrumental, sem estilo muito bem definido, que sempre me passou a sensação de um passeio de carro por uma cidade, altas horas da noite, naquele horário em que as coisas estão silenciosas, onde poucas luzes perduram...

Novo momento de perfeição arrebatadora com Sweetness Follows que abre com um violoncelo arranhado, doído, lamuriante. Microfonias eletrificam a canção da metade para frente, tornando o conjunto ainda mais emocionante. Uma canção fantástica, que te deixa com a impressão de ter sido composta após o autor ter sido atingido por um raio de inspiração divina.

Monty Got A Raw Deal mantém o nível alto, com a banda fazendo ótimo uso de um acordeon e tirando do armário o ukelele usado em Losing My Religion.

A música tem estética em Me In Honey: Base instrumental simplificada, sem grandes variações, martelando na cabeça do ouvinte enquanto Michael Stipe canta sobre ela. Tudo impregnado de uma beleza singela e encantadora.

Já Ignoreland é marcada pela verborragia de Michael Stipe. Existe um crescendo que vai do verso inicial até o refrão, que então marca novo início da brincadeira. Uma faixa engraçada, mais elétrica e agitada, mas que acima de tudo serve para reforçar que o que há de melhor no album.

Star Me Kitten é uma balada interessante, com o clima de música de outra época e vocais sussurrados. Consolida a atuação de Stipe e a criatividade da banda como principias trunfos do álbum.

De seguida temos Man on the Moon, uma das faixas mais aclamadas de Automatic for the People. Trata-se de uma homenagem ao comediante americano Andy Kaufman, e que acabaria sendo utilizada na banda sonora do filme homónimo de Milos Forman, onde Jim Carrey interpreta Andy. Canção de estrutura mais clássica e refrão inesquecível, apesar de não rivalizar com o brilhantismo genuíno de faixas como Try Not To Breathe e Sweetness Follows, acaba sendo uma das melhores do disco em função de seu perfeito equilíbrio entre melodia pop redonda e tributo a um artista morto precocemente.

Após Man on the Moon chegamos ao primoroso final do disco, cujas duas faixas são daquelas onde tentativas de descrição soam a inócuo. Há algo nestas duas canções que vai além das palavras. Nightswimming tem uma linha de piano que exala contemplação e beleza, uma canção que extrapola qualquer rótulo Não deve haver nenhum ser humano que ao ouvir esta música não se emocione. A sua melodia parece-me capaz de levar qualquer um, por mais depressiva e desfavorável que seja a sua situação, para um mundo paralelo de conforto e paz.

E finalmente Find The River! A transcendente melodia, de serenidade apaziguadora e algo rural (sentimento esse agravado pela letra), e o irretocável arranjo acústico desadornado de qualquer ruído que revele alguma relação com aqueles barulhentos anos 90, fazem deste tema a minha música e ponto final!

O album


Nenhum comentário:

Postar um comentário