Pub

sexta-feira, 17 de maio de 2013

A Folha de Excel


A Folha de Excel talvez seja uma das mais importantes criações dos humanos. De tal maneira esta entidade é importante que está em risco de substituir a humanidade dos humanos. Toda a vida dos humanos vai sendo organizada em função das determinações de uma Folha de Excel e assim a humanidade é desnecessária.

As sociedades organizam-se a partir dos modelos elaborados na Folha de Excel. A infalibilidade da Folha de Excel substitui a falibilidade dos humanos, ou seja, a sua humanidade que, evidentemente, deve ser eliminada.
Os humanos não decidem, entregam as suas decisões às formulas das Folhas de Excel.
A Folha de Excel criarão uma religião cuja fé substituirá as várias confissões que os humanos professam e que lhes conferem, justamente, humanidade.
As actividades humanas, de natureza mais pessoal ou profissional serão pensadas, geridas e desenvolvidas com base nos dados da Folha de Excel. A Folha de Excel não é permeável à fraqueza dos humanos, isto é, à sua humanidade.
As pessoas vão-se transformando em colaboradores, em activos, e vão ficando cada vez mais pequenas até caberem nas células da Folha de Excel onde ficam presas e passam a dados, perdem a sua humanidade.
As ideias não se promovem, trocam e desenvolvem, a Folha de Excel é imune, é neutra, face às ideias, os dados, contrariamente aos humanos, não têm ideias, ou seja, não têm humanidade.
Diariamente, cada um de nós espreita o mundo a partir da célula, das células das diferentes Folha de Excel onde está inserido, fechado, negando, evidentemente, a nossa humanidade, fraqueza não aceite pelas Folhas de Excel.
Todos os movimentos, todas as acções dos humanos irão ser registadas numa Folha de Excel. Os modelos das Folhas de Excel construirão modelos de novas Folhas de Excel que gerem modelos de Folhas de Excel que gerem as pessoas que perdem a humanidade.

De acordo com a Folha de Excel o tempo que eu tinha para escrever este texto, está no fim. Vou passar para uma outra célula de outra Folha de Excel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário