Pub

sábado, 11 de maio de 2013

Uma aula... de Socialismo...


Um professor de economia numa universidade americana disse que nunca tinha reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma turma inteira.

Esta turma em particular insistia que o socialismo realmente funcionava: com um governo intervencionista dividindo a riqueza, ninguém seria pobre e ninguém seria rico, todos seriam iguais e haveria justiça.

O professor então disse, "Ok, vamos fazer uma experiência socialista nesta turma. Em vez de dinheiro, usaremos as vossas notas nos exames." Todas as notas seriam concedidas com base na média da turma, e portanto seriam 'justas'. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um "A".

Calculada a média do primeiro exame todos receberam "B". Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado!

Quando o segundo exame foi realizado, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer maneira. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam da "alegria das notas". Como um resultado, a segunda média das provas foi "D".

Ninguém gostou!

Depois do terceiro exame, a média geral foi um "F". As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, responsabilização dos culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela turma. A procura da "justiça" dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e sentido de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final , ninguém queria estudar mais para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina...

Para sua total surpresa!

O professor explicou: "a experiência socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande. Mas quando um governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer o seu melhor. Tão simples quanto isso."


  1. Não se pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade ao rico;
  2. Para cada um que recebe sem ter de trabalhar, há uma pessoa a trabalhar sem receber;
  3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que o tenha tirado a outro;
  4. Ao contrário do conhecimento, é impossível multiplicar a riqueza tentando dividi-la;
  5. Quando parte da população está convencida de que não precisa de trabalhar, pois a outra parte da população irá sustentá-la, e quando esta outra parte entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira parte, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário