Pub

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

O pendura

Eis um conceito está prestes a dar o berro: o pendura. A nossa sociedade produziu e consolidou uma enorme quantidade de penduras nos últimos 40 anos. Andamos cheios desta espécie que teve o condão de se espalhar por toda a sociedade, a todos os níveis, e com um grau que jamais se pensou ser possível.


O pendura é um cromo muito peculiar. A sua primeira característica é que não tem o mínimo problema em o ser, embora não o queira parecer. Percebe-se o porquê, do ponto de vista do pendura, claro está. Por não saber viver de nada, ou porque aquilo que produz com real valor é inferior ao que quer consumir, o pendura vê no andar pendurado a sua única opção de vida.

A segunda característica do pendura é negar ou esconder que o é por opção. E quando por uma qualquer circunstância fica evidenciado que ele é um pendurado, o pendura não hesita em invocar uma ou mais razões que explicam porque pontualmente (pontualmente… na sua cabeça) pode parecer nesse momento mais vulnerável. Esse é um momento sempre doloroso, pois por definição o pendura quer sempre passar por aquilo que não é.

A terceira característica do pendura é a sua impossibilidade de se reformar com base na razão. De ciência certa o pendura não muda pela voz do argumento pois por natureza o argumento é um instrumento que se utilizado pode facilmente desmascarar o pendura. E por viver num mundo de ilusão o pendura é naturalmente defensivo e avesso a qualquer forma de diálogo que o possa colocar em cheque.

Os penduras encontram-se nos locais mais expectáveis e visíveis. São aos quilos.

Mas também há outros penduras, muito menos visíveis, mas também muito activos e corrosivos. Há os aldrabões que se aproveitam da ineficiência da nossa justiça e com isso não honram compromissos, há os profissionais em arrendar casa sem pagar renda, e há ainda os que se penduram na família mesmo já depois de saírem de casa pois as suas desmiolices arranjam sempre forma de se socializarem com os restantes membros.

E depois há aquele pendura que vive nos partidos políticos. Este pendura tem-se desenvolvido com fulgor nos últimos anos e teve como expoente máximo José Sócrates.

Os estragos são aliás bem visíveis. Esta espécie, muito especial e perigosa dada a legitimidade democrática com que soube vestir, invadiu literalmente o poder político. E instalou-se. Este pendura, possuído de uma leonina capacidade de fazer valer o seu interesse pessoal em detrimento do interesse do país, carrega consigo uma crueldade e capacidade de triturar adversários só possíveis em quem abdica da ética na tomada de decisões. Estes penduras utilizam a fidelidade como moeda de troca dos favores distribuídos, favores esses que mais não são do que a própria razão de existir deste pendura no agrupamento político de que faz parte. Não que o fenómeno seja novo na história do homem, mas o grau com que se manifesta e o alcance pernicioso da sua acção torna o fenómeno demasiado maligno, ou não fosse o sarilho presente o resultado das patetices de tanta inconsciência de quem nunca devia ter pisado os terrenos do poder político.

Em Portugal o pendura anda a começar a viver dias difíceis devido ao rigor que veio para ficar. Com isso foi simplesmente exposto como vítima do seu sucesso, e aos poucos vai sendo acossado e desmontado a muitos níveis. Mas há um local onde o pendura parece ser, ainda, intocável: nos partidos políticos.

Compete a quem anda pelos partidos sem espírito de pendura em atirá-los borda fora de modo a viabilizar boas lideranças e bons governos.

É uma obrigação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário